Artigos
Marroquim, Nkutumula, Macia & Associados
Consulte os diversos Artigos e Publicações que disponibilizamos de forma a poder obter informações importantes e úteis sobre diversos temas relacionados com a Sociedade e o universo do Direito e da Lei.
 
Muitos dos Artigos aqui publicados, são retirados do Blog do sócio Stayleir Marroquim que poderá visitar seguindo este link: www.smarroquim.blogspot.pt/

Pesquisar artigos e publicações:

quinta, 03 julho 2014 00:00

O princípio da Irrelevância do Desconhecimento da Lei - Análise dos artigos 6 e 288, todos do Código Civil

Stayleir Marroquim

Ignorantia juris neminem excusat

 

O art. 6º do Código Civil (C.C.) estabelece o seguinte:


“A ignorância ou má interpretação da lei não justifica a falta do seu cumprimento nem isenta as pessoas das sanções nela estabelecidas”.

 

Encontra-se consagrado nesta disposição legal o princípio de que as pessoas não podem invocar o desconhecimento de uma lei para que a mesma não se lhe seja aplicada. Assim, uma vez aprovada e publicada no Boletim da República, e decorrido o prazo da vacatio legis, as leis tornam-se eficazes e, por conseguinte, aplicam-se a todos os seus destinatários, independentemente de a conhecerem ou de a interpretarem devida ou indevidamente. Trata-se, com efeito, de um princípio que tem em vista impedir a ocorrência de situações de impunidade a que uma simples alegação de desconhecimento da lei poderia conduzir-nos.

 

 

Sucede, porém, que, consciente ou inconscientemente, o Legislador, no n.º 2 do art. 288º do mesmo diploma legal, atribuiu relevância ao desconhecimento da lei, contrariando o princípio acima referido. É este o conteúdo desta disposição legal:

 

“A confirmação compete à pessoa a quem pertencer o direito a anulação, e só é eficaz quando for posterior à cessação do vício que serve de fundamento à anulabilidade e o seu autor tiver conhecimento do vício e do direito à anulação”.

 

Realçamos em negrito a parte que revela a referida contradição. Repare-se que aqui o Legislador condiciona a eficácia da confirmação (um dos modos de sanação da anulabilidade de um negócio jurídico) ao facto de, entre outros requisitos, o seu autor ter conhecimento do direito à anulação, subentenda-se, do negócio jurídico. Ou seja, caso o autor ignore que dispunha do direito à anulaçao, a confirmação será ineficaz. E esta ineficácia resultará do facto de o referido autor desconhecer da existência de uma lei que lhe faculta o direito à anulação.

 

Como dissemos, pode até ser que a fixação desta excepção à regra do princípio da irrelevância do desconhecimento da lei tenha sido consciente por parte do Legislador. Porém, caso seja esse o caso, então sempre se perguntaria qual foi o critério aqui atendido. Isto porque, várias situações, principalmente num país com como nosso com índices de analfabetismo muito elevados parecem merecer a mesma atenção.

Additional Info

  • Autor: Stayleir Marroquim
 
Contactos

Prédio CIMPOR / Polana Shopping
R. José Mateus, n.º 20, 3.º dto
Maputo, Moçambique  ver mapa

T. (+258) 21 48 35 85
F. (+258) 21 48 63 13
M. (+258) 82 32 87 999

geral@mnm.co.mz

 

 
Networks
  • fb small
  • linkedin small